Home > História da Raça Samoieda

História da Raça Samoieda

 

A Origem da Raça - O Povo Samoyedo e seus cães


 


O povo
 O nome da raça Samoieda vem dos Samoyedos, um povo seminômade de descendência asiática (em russo: Samoiedskaïa Sabaka). O povo Samoyedo era muito afetivo com sua família e com seus cães e os tratavam como membros de sua família. Acabaram ficando historicamente conhecidos por terem os cães Samoiedas e pela maneira que os tratavam.

   As pessoas destas tribos possuíam características estruturais mongoloides. Eles tinham a pele escura amarelada, cabelos negros, eram baixinhos com no máximo 1,57m de altura (média de 1,45m nos homens e 1,30m nas mulheres), tinham bochechas proeminentes, olhos puxados e crânio curto.

Muito religiosos e seguidores das religiões xamânicas, eles possuíam rituais e costumes próprios, se alimentavam da pesca, caça, carne de renas e do cultivo de batatas silvestres. Eles nunca tomavam banho durante sua vida.

Os historiadores nos dizem que, como a população da Ásia cresceu, tribos maiores se dirigiram (com as suas famílias, seus rebanhos, e os seus cães) para outras regiões distantes, pois o alimento natural não seria suficientemente encontrado para as renas e para a própria tribo. Em busca de novas pastagens o povo Samoyedo da família de Sayantsi fez parte desta migração e se mudou para o noroeste. Em 1800 exploradores europeus e historiadores descreveram-nos como numa corrida migrando entre o "Mongol e o Finn".

O nome "Samoyede" traduz "vivendo-se", que reflete sua característica mais forte, a cultura autossuficiente.

Abaixo foto de uma criança da tribo Nenets.

 


 


A palavra "Samoyed" tem uma origem russa, oriunda das línguas escandinavas. No passado pensava-se que a palavra "Samojed" era um composto russo "sam-est-ed" que significa aquele que come a si mesmo. Essa é uma etimologia ingênua, relacionada ao fato de que se pensava que o povo Samoyedo eram canibais. Na Rússia a palavra foi então alterada para "Samodij" enquanto na literatura foreigh a palavra não se alterou, mantendo-se "Samojed", entretanto sem qualquer sentido pejorativo.

Os Samoyedos são uma etnia do Norte da Sibéria que compreende os povos Nenets, Enets, Selkup e Nganasan. São povos de línguas urálicas, grupo ao qual pertencem também o finlandês e o húngaro.

Abaixo distribuição geográfica dos tipos de idiomas samoyedos, fínicos (fino-permianos), úgricos e yukahhir.



 

Os dois grupos Samoyedos principais são os Nentsy ou Nenets (1) e o Entsy ou Enets (2).

 


 


O povo Samoyedo migrou para sua localização atual no primeiro milênio para terras até então desabitadas cobertas de neve e gelo nas vastas extensões de tundra, que vão desde o Mar Branco (um braço do Mar de Barents na costa noroeste da Rússia) ao rio Yenisei (o maior rio que flui para o Oceano Ártico). Eles viviam principalmente na península de Taimyr, entre os rios Yenisei e Olenek. Esta península é no extremo norte da Sibéria no Círculo Ártico as margens do Oceano Ártico. É a parte mais setentrional do continente e é mostrado no canto superior esquerdo do mapa.

 

 

Os Nganasan viviam na península de Taimyr, que fica entre os rios Lena e Yenisey. Os Enets (Samadu) eram seus vizinhos a oeste, perto do canto inferior do Rio Yenisey e Taz. O terceiro grupo, Nenets (Samoyeds ou Yuraks), viveu no maior território de ambos os lados dos Montes Urais, passando da floresta e da costa do Ártico para as penínsulas Kanin, Gydan e Yamal.
Os Nganasan usavam cães como um meio para caçar gansos. Eles traziam as aves sem danificá-las. E não eram conhecidos até meados do século 18. No Século 19 a criação de renas se tornou importante para esse grupo de pessoas das tribos Samoyedos. Suas renas eram "selvagens", e percorriam longos caminhos em busca de alimento, o que significava que os cães cuidavam das renas 24 horas por dia ou elas se perderiam. O tipo de cães que usavam para ajudar a controlar suas renas são descritos inicialmente como "de pernas curtas, os cães da raça Layka". Primos do Samoieda os cães Layka foram muito utilizados na Rússia, inclusive um cão Layka foi o primeiro cão a ser mandado para o espaço em um foguete.

Os Enets chegaram ser conhecidos antes da Revolução (1917) e foram chamados de Khantayka Karasin Samoyeds. Eles usavam as próprias renas para o transporte e nenhuma menção foi feita de cães para qualquer uso na história livros e literatura.

Houve uma parte dos Nenets que se deslocaram para Nova Zembla e Ilhas Vaygach para tomar conta do território, pois eles temiam que os russos reivindicassem suas terras, e neste deslocamento pelo território russo os Nenets adotaram os cães Bjelkiers para o transporte dos seus pertences e das crianças. Os Nenets que não foram realocados usavam os cães principalmente para proteger e acompanhar os seus grandes rebanhos de renas.

Outro grupo de pessoas que eram vizinhos do Povo Samoyeda e que foram mencionados com frequência nos diários dos exploradores em escritos históricos sobre o povo da Sibéria que usou cães de várias formas foram os Khantys (Ostiaks). Este grupo de pessoas ocuparam a área da foz do Ob e dos Urais do norte, até onde o Ittyoh se junta ao Ob e do leste para o coração da Sibéria. Os Khantys adotaram a cultura nômade da criação de renas dos Nenets, e usavam seus cães também para controlar os seus rebanhos. Mas eles também usaram cães para o transporte no inverno e nas estações mais quentes os cães eram usados para puxar os barcos rio acima.
 


Os Cães
O primeiro cão-lobo (canis familiaris palustris) apareceu 12.000 a 14.000 anos atrás, e se originou a partir do lobo cinzento no sul da Ásia Central, onde o povo Samoyedo se originou. As pessoas do Povo Samoyedo, que posteriormente foram chamados de primeiros caçadores-coletores da Ásia, tinham uma afinidade especial aos lobos por causa de sua estrutura social em comum e suas proezas de caça. Esta relação na cultura do Povo Samoyedo foi elevada à reverência devida em parte à religião tradicional da cultura animista (adoração de espíritos animais). Eles pegaram filhotes de cachorro-lobo e lhes deram um lugar especial em seus alojamentos ("chooms"). Esta relação foi de reverência à parceria. Tanto os caçadores-coletores como os cães-lobo tinham muitos aspectos do seu comportamento clã / pack que eram idênticos. Portanto, é fácil entender como os caninos primitivos se adaptaram bem à estrutura social semelhante a do Povo Samoyedo.

   Devido ao seu isolamento do resto do mundo, o cão Samoieda é "puro" de verdade, o que significa que não houve miscigenação da raça com outro lobo, raposa, ou com outras raças de cães primitivos. Como resultado, o cão Samoieda de hoje é uma das únicas quatro raças que são diretamente descendentes dos lobos cinzas, juntamente com o Husky Siberiano, Malamute do Alaska e Chow Chow. Ref.1

Em 2004 usando modernos testes de DNA, foi confirmado que o Samoieda é uma das 14 raças caninas antigas que mostram o menor número de diferenças genéticas dos lobos.

O Samoieda é um cão primitivo e sua origem advém da era pré-histórica, há mais de 5.000 anos sem intervenção do homem.

O povo Samoyedo chamava seus cães de "Bjelkier" (byel-kee-er) que se traduz em "branco (cão) que dá cães brancos". Em russo, os cães são chamados de "voinaika", que significa levar ou cão direção. Sem qualquer intervenção humana estes cães maravilhosos transmitiam aos seus descendentes a marcante característica de pelos fofos e branco com pontas prateadas que brilhavam a luz do norte. Realmente algo que deve ser deslumbrante de se ver.

Ao contrário de outras raças de cães, os Bjelkiers desenvolveram uma estreita relação pessoal, bem como uma relação de trabalho com seus companheiros humanos.

Os Samoyedos incorporaram os seus cães em cada aspecto de suas vidas diárias e dependiam deles durante todo o ano para a caça, pastoreio, guarda e para puxar trenós durantes suas viagens para mudança de residência e às vezes para pescar e puxar barcos. Seus cães eram considerados parte de sua família. Incluíam os cães nas refeições e até os trouxeram para dentro dos "chooms" durante o sono onde eles eram usados como "aquecedores" (especialmente com as crianças) para agregar calor nas noites frias do Ártico. Os Samoyedos confiavam tanto nos seus cães que deixavam os seus filhos e suas posses (incluindo suas valiosas renas), enquanto eles estavam caçando ou tecendo o couro, para que eles os protegessem. E assim os Bjelkiers o faziam, afastando lobos e lutando com ursos se preciso fosse.

Numa imensa extensão de tundras, as margens do oceano Ártico, local que devia ser o paraíso, um tapete de neve, protegido por paredes de gelo, povo Samoyedo permaneceu por séculos, desde muito antes da era cristã (existem relatos que dizem pelo menos 1.000 anos antes), com seus cães amados e seus rebanhos de renas.

O amor do povo Samoyedo pelos seus cães era tão grande que muitos se separavam com mais facilidade de suas esposas do que de seus cães preferidos. As mulheres chegavam amamentar os cães se fosse necessário.

O treino dos cães era feito somente pela voz, eles nunca batiam nos Bjelkiers. A cada cão era dado uma função de acordo com sua idade e condição física. Aos exemplares adultos de maior porte eram dadas tarefas mais pesadas como puxar os trenós e ajudar os homens na caça, aos outros um pouco menores cabia-lhes ajudar na condução dos rebanhos de renas e vigiar os acampamentos e para os cães mais velhos davam a função de brincar e proteger as crianças. Respeitadores dos cães, eles dispensavam do trabalho os idosos e as fêmeas gestantes.
Esta maneira gentil e amorosa dos Samoyedos de lidarem com os Bjelkiers durante mais de 1000 anos fez com que fosse desenvolvido nesses cães um sentimento de compreensão da humanidade, senso de observação aguçado, aprendizado fácil, fidelidade, admiração, gratidão e confiança nos homens e essas características permanecem até hoje na raça.

     

O povo Samoyedo levava uma vida nômade, dependente de seus rebanhos de renas e de seus cães. Sua sobrevivência girava em torno de renas, que eles usavam para alimento, para a confecção dos vestuários e na construção do abrigo (uma tenda redonda com as laterais de madeira e com tampo de couro com um furo para sair a fumaça chamado de "choom"). Como o povo Samoyedo também caçava e pastoreava as suas renas, a domesticação dos cães-lobos foi um serviço útil que veio naturalmente para seus cães. Uma característica natural de um lobo para ir atrás de um animal (drive de caça) que dispersa de um bando, tornou fácil de ser usado como comportamento de juntar a rena que se afastou do rebanho. O Bjelkier poderia então transportar rebanho, caçar e aquecer seus donos à noite e gostava de fazer as três funções.

 


 


O povo Samoyedo e os seus cães primitivos existem ainda hoje, embora seus números sejam inferiores a 50.000.  Eles estão espalhados em tribos por toda a Sibéria e têm lutado para manter sua cultura apesar da industrialização que se expande em toda a Sibéria.

 


 


O Samoieda ganha o mundo


O modo como o cão Samoieda veio da Sibéria para a Europa e para os EUA dá um romance e ocorreu dentro de um período muito curto de tempo entre o início dos anos 1890 e 1917. Exploradores europeus retornando da Sibéria trouxeram de volta consigo alguns desses belos, saudáveis e amigáveis cães.

Inglaterra e Rússia
Na Rússia a partir do século 17 iniciou-se um mapeamento das terras feito com trenós, onde os russos percorreram a costa da Sibéria desde a fronteira com a Europa até o Estreito de Bering. Foi assim que os russos começaram a conhecer as qualidades dos Samoiedas, até então conhecido com o nome de Bjelkier (fala-se Bielker). Eles se tornaram rapidamente protegidos pelos Czares russos, que percebendo seus atributos, não permitiam a venda para estrangeiros. Apenas eventualmente era concedido um deles como presente para realeza europeia. Os Bjelkiers passaram a ser usados para puxar trenós na Rússia, inclusive os trenós dos cobradores de impostos.

 


 


Em 1866, chega à Inglaterra o primeiro Samoieda.


    A família da rainha Vitória se espalhou pela Europa e pela Rússia, onde seu filho Eduardo, o Príncipe de Gales (que mais tarde se tornou rei Edward VII) casou-se com Alexandra da Dinamarca que foi Princesa de Gales entre 1863 e 1901 e posteriormente a morte da sogra veio a ser a Rainha Alexandra.

 

       
            
No Tratado de Praga em 1866, o chanceler alemão Von Bismarck dá de presente um cão branco da Rússia para o Príncipe de Gales, o futuro rei Edward VII, cuja esposa Alexandra exímia adoradora de cães imediatamente se encanta com os Bjelkiers.

O casal foi posteriormente presenteado com um cão Samoieda de nome JACKO que foi ofertado por Frederick Jackson enquanto Alexandra ainda era princesa na Inglaterra. A princesa adorava cães e ficou tão apaixonada pela raça que ela passou a cria-la e diversos exemplares chegaram à Inglaterra entre 1890 e 1900.

Em 1888 uma pintura desenhada para celebrar o seu casamento mostra uma imagem de um Samoieda aos pés do príncipe e da princesa de Gales. Pinturas de Samoiedas ainda estão na coleção atual da Rainha.

 


 


Após a I Guerra Mundial (1917) poucos Samoiedas foram exportados para fora da Rússia devido à Revolução Comunista que efetivamente fechou as fronteiras. Governantes russos comunistas que haviam tomado o poder ordenaram o sacrifício de todos os cães de trenó. A maioria dos Samoiedas mantidos pela realeza foram mortos na Revolução Russa, logo após a queda do Czar. Com os comunistas no poder, acreditava-se que o desenvolvimento tecnológico seria rápido devido à chegada da revolução industrial. Os cães de trenó simbolizavam um passado a ser esquecido &ndash seriam substituídos por veículos motorizados. Felizmente, devido à extrema dificuldade de acesso aos lugares mais remotos ao norte da Rússia não conseguiriam exterminar todos os cães. Então, em 1917, o plantel que estava disponível na Inglaterra, América e em outras nações europeias era tudo o que foi usado para montar a linha de sangue inicial.

Expedições polares
Durante um período de 15-20 anos de 1893 a 1910, muitos exploradores queriam alcançar os polos. Travou-se verdadeira batalha entre a Noruega e a Inglaterra pela chegada ao Polo Sul. Inúmeras expedições foram realizadas. Muitos deles decidiram que o uso de cães puxando trenós seria o melhor meio para o transporte de seus suprimentos e de seus homens pelas terras geladas. Os cães necessários para essas expedições eram muito difíceis de serem adquiridos e em sua maioria vieram da Sibéria, mas alguns (dependendo de qual expedição) foram obtidos a partir de Groenlândia.

 Nansen, Jackson, Wellman, e Abruzzi foram exploradores que buscaram atingir o Polo Norte com a ajuda de cães. Borchgrevink (com Bernacchi), Amundsem, Scott e Shackleton queriam alcançar o Polo Sul também com o uso de cães. Todos esses exploradores, exceto Jackson, usaram o mesmo agente para adquirir os cães. Este agente de cães foi o russo Alexander I.
Trontheim o mesmo que arrumava os cães para o Czar.
Trontheim, sob as ordens de Nansen, foi em busca de cães Ostiak (Khantys), para sua tentativa de ir para o Polo Norte (mais ao norte). Em janeiro de 1893, Trontheim estava em Berezoff Sibéria no momento em que as pessoas da tribo dos Samoyedos Ostiaks foram lá para pagar seus impostos com peles. Ele viu muitos "cães de trenó" dos Ostiaks e comprou os cães solicitados por Nansen neste local. Estes cães foram transportados para o navio Fram, no Porto de Khabarova na Yugor Strait. Nansen afirma em seu diário que ele estava muito satisfeito com os 40 cães fornecidos por Trontheim e que a pelagem dos cães eram duplamente revestidas, e quando nevava o sub-pêlo protegeria o cão de qualquer umidade. Ele também descreve os cães como "de pelos longos, brancos de neve, com orelhas eretas, focinhos pontiagudos, com sua expressão gentil e rostos de boa índole..." Nansen afirma que todos os cães obtidos eram castrados exceto quatro machos e a cadela que ele trouxe para casa, chamada Kvik (que posteriormente deu a Jackson e que depois foi para com os Scotts), que estavam intactos. Assim, todos os descendentes foram a partir desses cinco cães. O explorador americano, Wellman (1898-1899) também solicitou Trontheim para adquirir seus cães das pessoas da tribo Samoyedo de Ostiak para tentar chegar ao Polo Norte. O explorador italiano, Abruzzi (Estrela Polar), adquiriu 121 cães de Trontheim que obteve os cães de Tobolsk localizada na Sibéria. Lá o Canil Archangel, era o fornecedor de cães para Trontheim.

 

 

    

Poucos cães resistiam ás injúrias e crueldades e conseguiram retornar vivos das expedições. Alguns exploradores ficaram com os cães como animais de estimação, outros negociaram seus próprios cães para outras expedições ou para criadores britânicos.



Fridtjof Nansen (10/10/1861 - 13/05/1930)


   A raça Samoieda é escolhida para participar das expedições polares devido a sua força, disponibilidade para o trabalho, por consumirem pouca comida, pelo temperamento amável e de fácil interação com o homem e por poderem viajar longas distâncias sem se cansarem. Foi Nanssen que depois de um estudo minucioso concluiu que os Bjelkiers eram os cães mais indicados para as expedições. Ele relata: "Fisicamente, o Samoieda tem o design mais eficiente das raças nórdicas, com uma mais pronunciada pelagem dupla-camada que outras raças nórdicas. A pelagem exterior longa é repelente a terra e a água, assim que o cão pode facilmente livrar-se da neve e da sujeira. O revestimento interior é lanoso e tão espesso que praticamente nada pode passar através dele e atingir a sua pele, mantendo o cachorro quente, e evitando as lesões de pele. Olhos castanhos profundos com formato amendoado e pálpebras pretas para reduzir o brilho da neve. Os dedos arredondados dão ampla força para fornecer tração extra, como um snowshoe built-in. A cauda longa e macia curvada sobre o dorso mantém os quadris quentes durante o trabalho e cobre o nariz enquanto dormem ao relento muitas vezes embaixo de nevascas, agindo como um filtro para aquecer e umidificar o ar inalado. Sua caixa torácica larga tem espaço de sobra para o coração e determina uma grande capacidade pulmonar e ainda comporta uma musculatura forte que dá grande resistência ao cão, além de uma ossatura densas que fornecem capacidade de carga extra sem sacrificar a agilidade".

Tão importante como as suas capacidades físicas, Nansen valorizou seu temperamento. Ele escreveu muitas vezes de como o Samoieda superou outras raças na determinação, foco, perseverança e no impulso instintivo para trabalhar em qualquer condição. Ele também valorizou as suas habilidades igualmente fortes para caçar, puxar, e pastorear rebanhos. Mas o que realmente diferenciou o Samoieda do resto das raças foi o fato de que a motivação do cão para tudo que eles fazem é para agradar seus líderes humanos. Nas situações com risco de vida presente em expedições, é a combinação perfeita.

Infelizmente, mesmo com todos esses atributos, poucos cães sobreviveram a essas expedições esgotantes. No entanto, aqueles que o fizeram, se tornaram a base forte da linhagem atual dos Samoiedas.

Essas expedições foram aprovadas e financiadas em grande parte pela realeza.
Ao explorador norueguês e Prêmio Nobel da Paz Fridtjof Nansen (1861 -1930) é creditado o mérito por trazer o cão Samoieda para o mundo civilizado do ocidente. Ele fez isso usando "bjelkiers" (cães Samoieda), em suas expedições pelas regiões polares até então incivilizadas, nas suas várias tentativas de chegar ao Polo Norte. Apesar das condições de brutais a que foram expostos os Bjelkiers, a expedição de Nansen em 1895, que foi conduzida por uma equipe de 40 bjelkiers foi um sucesso divulgado em manchetes em todo o mundo. Nansen foi o precursor da primeira expedição polar norueguesa. Embora ele não tenha conseguido chegar ao Polo Norte, ele viajou mais ao norte do que qualquer outro ser humano havia ido na época, chegando a cerca de 350 km do Polo Norte. Todos os cães usados por Nansen nos trenós na sua ida para o polo não retornaram. Mas ele deixou 6 filhotes e uma cadela grávida (Sussie) que pariu 12 filhotes no porão do navio. Um destes (Grasso) foi dado ao Duque de Abruzzi, explorador italiano.

 


 

 
A seguir um relato de pesquisadores sobre a 1ª expedição de Nanssen confirmando o abandono dos cães sobreviventes. "Após duas tentativas infrutíferas, Nansen e Johansen abandonam o barco em 14 de Março de 1895 e partem para o polo Norte em expedição terrestre, levando dois caiaques e três trenós puxados por 28 cães para levar os seus objetos pessoais. Depois de um avanço por vezes fácil e por vezes dificílimo, em 3 de Abril a posição de 85° 59 N é decepcionante, e em 8 de Abril, antes de ter alcançado em 23 dias o ponto mais a norte até então conseguido, 86° 10, decidem parar a expedição e regressar fazendo uma paragem no cabo Fligely, a zona mais a norte da Terra de Francisco José."

"Em finais de Maio, Nansen e Johansen alcançaram 82° 21 N, com 16 cães, reservas insuficientes e um avanço difícil sobre o gelo. Em 22 de Junho de 1895 conseguem caçar focas, o que os deixa com víveres e combustível suficientes para um mês. A 27 de Julho, pela primeira vez em três anos, veem terra. Em 1 de Agosto, a banquisa torna-se impraticável, e os exploradores utilizam os caiaques. Deixam os cães e desviam-se para este e descobrem um arquipélago formado por quatro ilhas desconhecidas, pensando encontrar-se na costa oriental da Terra de Francisco José. Em meados de Agosto alcançam uma nova ilha que chamam ilha Houem (hoje Ilha Jackson) e decidem aí permanecer no Inverno. Constroem um refúgio e caçam para constituir uma importante reserva de alimento congelado".

A seguir a um duro Inverno, a 28 de Maio de 1896 voltam para sul e alcançam o cabo Richthofen, onde a 17 de Junho de 1896 se encontram cara a cara com a expedição do britânico Frederick Jackson no cabo Flora. O navio de mantimentos da expedição apanha-os e volta a partir a 7 de Agosto de 1896 para alcançar o porto de Vardø, na Noruega, cinco dias mais tarde. "Em 27 de Agosto de 1896, encontram o Fram (navio em que partiram) e dirigem-se a Tromsø, fazendo com ele uma entrada triunfal a 9 de Setembro de 1896 no porto de Christiania".

   Foram 5 expedições ao todo para o mapeamento do Ártico. Para a Antártica foram inúmeras expedições. Fridtjof Nansen foi o grande mapeador da Antártida no século 19 e foi ele que contribuiu para que os Bjelkiers ficassem conhecidos no ocidente através de seus relatos sobre as expedições onde ele se refere várias vezes aos Bjelkiers, inclusive com precisão sobre seus tamanhos e pesos. Por conta dos relatos de Nansen sabemos que a aparência dos samoiedas não mudou muito ao longo dos anos. Como Nansen ficou muito satisfeito com o desempenho heroico dos cães ele os indicou para muitos outros exploradores e isso tornou o Samoieda o cão de escolha para várias das expedições árticas e antárticas que se seguiram.

   É obvio que essas expedições para ambos os polos entre 1870 e 1912 foram cruéis e impiedosas para os Bjelkiers. Muitos morreram inutilmente, pois os exploradores não conheciam a anatomia e a fisiologia dos Bjelkiers e acabaram fazendo procedimentos que colocaram a vida dos cães em risco. Por exemplo, eles cortaram as caudas dos cães e estes com as caudas curtas pegavam pneumonia. Isso acontecia, pois com a cauda cortada o Samoieda não poderia cobrir o seu focinho quando estivesse dormindo em ambiente não aquecido. Como a quantidade de cães levada para as expedições eram grandes, os cães dormiam ao relento e acabavam adoecendo. Alguns exploradores também tosaram os cães para facilitar a manutenção da pelagem e com isso os cães acabaram morrendo congelados. Além disso, o projeto de Nansen foi extremamente egoísta, nunca pensando nos cães, objetivando apenas se beneficiar das suas qualidades, sem, no entanto demonstrar nenhuma gratidão por toda ajuda recebida. Ele planejou alimentar os cães mais fortes com a carne dos mais fracos, do contrário eles teriam que levar comida para os cães ou caçar para alimentá-los. Muitos cães resistiam a comer a carne dos irmãos, porém depois de algum tempo, fracos, famintos e tendo que trabalhar alguns acabaram comendo ou morreriam de fome. Os cães muitas vezes também eram utilizados como alimento para os próprios homens. Com os pés rasgados e sangrando eles nunca se encolheram e trabalharam até toda sua força se esvair. Somente os mais resistentes conseguiam suportar tanta crueldade. A maioria das linhas de sangue de hoje descendem de cães de trenós veteranos destas expedições.



Frederick George Jackson (1860 - 1938)


   Enquanto Nansen foi o responsável pela introdução do Bjelkier no mundo ocidental, foi o explorador britânico Frederick George Jackson em suas expedições que os levou para Inglaterra.  Frederick Jackson liderou a expedição Ártica Jackson-Harmsworth (1894-1897) que foi patrocinada pela Royal Geographical Society. Lá ele conheceu Nansen que estava voltando de uma longa jornada de 18 meses no Ártico (1893 &ndash 1895). Jackson ficou muito impressionado com alguns Bjelkiers e os levou para Inglaterra. Seu agente na busca dos cães foi um alemão chamado Mr. Rawling, que lhe obteve 30 cães (a maioria do povo Samoyedos Ostiaks), mais duas cadelas Samoiedas que foram obtidas no porto Khabarova. Jackson se refere a essas duas cadelas como, Sally e Jinnie. Ele descreve seus cães como: "firmes e de ossatura forte, pernas compridas como as dos lobos, com coloração cinza ao marrom escuro e com as orelhas eretas". Ele também contou que seus cães foram excelentes, pois eles até lutaram com o urso polar para defender a expedição. Jackson trouxe de volta da aventura oito cães, enquanto muitos exploradores não o fizeram. Ernest Kilburn Scott adquiriu na Inglaterra os Samoiedas desta expedição de Jackson. O médico que acompanhava a expedição de Jackson, Dr. Kotelitz, trouxe de volta consigo a cadela KVIK, e esta pode ser a primeira fêmea na árvore genealógica dos Samoiedas na Inglaterra.

 


 

 
Foi Jackson que deu seu melhor cão, chamado JACKO a rainha Alexandra e outros 8 cães para o Sr. E. Kilburn Scott e sua esposa a Sra. Clara Kilburn Scott, o casal de maior importância para o desenvolvimento da raça longe da Sibéria.
Jackson explorou e deu nome a várias ilhas no arquipélago de Francisco José e uma delas foi chamada de Ilha Jackson em sua homenagem.

Roald Amundsen (16/07/1872 - 18/07/1928)


  Uma das mais famosas dessas expedições foi a de Roald Amundsen, norueguês que primeiro alcançou o Polo Sul em 14/12/1911.  Amundsen utilizou 52 Samoiedas como seus cães de trenó, mas destes apenas 12 sobreviveram. O principal cão de expedição de Amundsen foi a cadela Etah, uma fêmea tão forte e determinada que mesmo parindo durante a expedição, conseguiu voltar com vida para da Antártida. O senhor Amundsen é creditado por ser o primeiro a chegar ao Polo Sul, mas certamente a sua Samoieda Etah chegou antes dele!

    


 


Carsten Egeberg Borchgrevink (1864-1934)


   O norueguês que vivia na Austrália Carsten Egeberg Borchgrevink, na Expedição Cruzeiro do Sul, viajou para a Antártida com 90 cães que foram em sua maioria cães da Groenlândia e alguns Samoiedas. Ele menciona em seu livro que a todos os 90 cães foram dados nomes pelos finlandeses, que foram os responsáveis pelos cães na viagem. Em seu livro, "Primeiros sobre o Continente Antártico", ele menciona que os cães tiveram um tempo difícil com frio excessivo no sul caminho e muitos cães morreram. Outro problema que os cães tiveram de lidar foi com as águas agitadas. Eles estavam constantemente molhados em alto mar, e problemas de pele tornaram-se comum.

Ele também observou que os cães eram combatentes entre si. Eles escolhiam um cão particular para atormentar e, finalmente, matar. Esta foi uma característica notada por quase todos os exploradores.

     
       
Borchgrevink deixou os cães na Ilha Nativa adjacente a Stewart Island, com a permissão do governo da Nova Zelândia. Somente alguns filhotes nascidos durante a viagem de ida foram trazidos de volta.

Dois cães desta expedição tem enorme influência nas linhas de sangue atuais. O primeiro e mais famoso ANTARTICK BUCK e o segundo chamado TRIP. Ambos foram levados para um zoológico em Sidney na Austrália onde passaram vários anos antes de serem comprados pelo Scotts e serem levados para Inglaterra. BUCK se tornou muito popular na Austrália. Interessante é que BUCK não saiu junto com a expedição, ele nasceu no Cruzeiro do Sul de uma cadela utilizada na expedição por Borchgrevink, a caminho para a Antártida. BUCK foi trazido para a Inglaterra em 1909 onde ele gerou várias ninhadas.



Duque Hertog van Abruzzi (1873 - 1933)


  Luigi Amadeo de Saboia, o Duque italiano de Abruzzi, irmão do Rei da Itália pediu conselhos a Fridjof Nansen sobre como eram os Samoiedas e recebeu de presente uma fêmea reprodutora de nome GRASSO, como uma boa amostra do que é um cão de trenó. Seguindo a orientação de Nansen, Luigi contratou Tronthein para importar os cães e seguiu com 120 Bjelkiers em sua expedição. Os poucos que retornaram seguiram para Inglaterra, dentre eles um macho de nome HOUDIN posteriormente muito usado como reprodutor.


 
Abruzzi faz as seguintes declarações sobre os cães: "eles são de várias cores, branco, branco e preto, marrom e cinza com orelhas pontudas, para cima e caudas enroladas com peitos profundos". Outro ponto interessante que ele faz menção é que estes cães já haviam sido treinados para puxar trenós, algo que os cães de Nansen não possuíam, eles não haviam sido treinados. Abruzzi descreve os cães de trenó de tipos diferentes como segue: "pelos mais curtos, se assemelhando a lobos de pêlo longo de várias cores. Mais resistentes em suportar o clima frio". Os cães sobreviventes da expedição foram 8 &ndash 4 machos, 2 fêmeas e 2 filhotes nascidos durante o inverno, que eles consideravam como sendo os mais fortes.



Robert Falcon Scott (06/06/1868 - 29/03/1912)


   Robert Falcon Scott capitão da marinha britânica era amigo e parente de E. Kilburn Scott e assim como ele tinha uma admiração especial em relação aos Samoiedas. Robert Falcon Scott seguiu para uma expedição para Antártida em 24/10/1911, levando um filho de ANTARTIC BUCK, de nome OLAF, que foi presenteado pelo amigo Kilburn para assumir a expedição Terra Nova para o Polo Sul e outros cães adquiridos do Canil Archangel da Sibéria.

 


 

 
Infelizmente ele chegou 1 mês depois do norueguês Roald Amundsen e uma segunda tragédia ocorreu adiante. Ele não voltou para casa com vida após ser o 2º a alcançar o Polo Sul. Os trenós motorizados logo no início da expedição deixaram de funcionar. No meio do caminho Scott resolveu seguir sem os cães a partir da geleira de Beadsmore, pois os cães (33), sendo 23 Samoiedas e pôneis (22) estavam morrendo, os primeiros por pneumonia e fraqueza por terem lhe cortado as caudas e por estarem sem alimentação (Scott era contra matar os cães para servirem de comida) e os segundos por queimaduras nas patas e também por fome, além do frio intenso de &ndash 30°C e dos ventos de mais de 100km/h. Dois meses depois ele ordenou que 7 dos 12 homens retornassem com os cães para a base inicial. Sem os cães e com a morte dos pôneis, que logo precisaram ser sacrificados eles não conseguiram chegar ao depósito de mantimentos. Todo o grupo sucumbiu. Os últimos 3 integrantes encontrados 8 meses depois, por uma expedição de resgate, dentro da barraca, estavam a apenas 18 km de um depósito farto de alimentos. Todos esses detalhes foram deixados escritos na agenda de Robert Falcon Scott.
Estudiosos questionam a organização dessa expedição Terra Nova, pois Scott teve repugnância em levar os cães mais adiantes pelo fato de ter que matar os cães para dar de comer aos outros e para alimentar aos homens. Essa aversão de Scott a matar os Samoiedas era famosa e foi com certeza uma das causas do fracasso da expedição. Além disso, críticos também indicam a resistência dos ingleses a aceitar as experiências de sobrevivência do povo Samoyedo nas terras frias do ártico. Na realidade, o fato de a equipe não conseguir retornar teve várias causas. A nevasca a poucos quilômetros da base foi apenas uma delas. A psicologia abalada por não terem sido os primeiros foi outro motivo. Mas, Scott cometeu um erro logo no começo. Enquanto Amundsen apostou em cães para puxar os trenós a viagem toda, Scott resolveu levar trenós motorizados e pôneis. Desacostumados ao clima, os cavalos logo tiveram que ser executados devido as patas queimadas e fome. Já os trenós não funcionaram no frio antártico. Triste consolo para o grupo de Scott seria saber que, por causa da tragédia, entrou para a história. Hoje, pelas circunstâncias da morte, os britânicos têm mais carisma por ele que pelo próprio pioneiro Amundsen.

Durante muitos anos o paradeiro das fotos tiradas na expedição Terra Nova fora um mistério. Em 2001, o sobrinho-neto de um dos participantes da expedição, o Sr. Edward Wilson, encontrou por acaso todo o arquivo de fotos com um colecionador chamado Richard Kossow. Agora, à medida que se aproxima o centenário da morte de Scott, que faleceu em março de 1912, David M. Wilson publicou todas as imagens em seu livro The Lost Photographs of Captain Scott (As fotografias perdidas do capitão Scott, em tradução livre) juntamente com descrições detalhadas do local e do momento em que foram tiradas, da melhor maneira que foi possível ao autor determinar. As fotos foram tiradas pelo próprio Scott que demonstraram muita sensibilidade artística para fazê-las.

 


 


Ernest Shackleton (15/02/1874 - 05/01/1922) 


  Ernest Shackleton, 1907-1909, também viajou para a Antártida em uma expedição a bordo do navio NIMROD, e apesar da resistência em relação aos cães de trenó acabou levando alguns consigo.

 


 

 
Shackleton afirma: "Eu confio pouco nos cães, mas eu sei que é aconselhável levar alguns desses animais". Entrou em contato com um criador de Steward Island, Nova Zelândia para obter seus Samoiedas, mas só conseguiu 9 cães (5 fêmeas e 4 machos), que eram descendentes da Expedição de Borchgrevink. Mas os números aumentaram para 22 com a chegada dos filhotes durante sua ida para o Polo Sul. Muitos filhotes morreram devido à falta de cuidado por parte das mães e outras dificuldades como conseguir sobreviver no frio extremo. Ele descreve um cão de nome TRIPP: "era branco puro e muito imponente e com uma enorme disposição para o trabalho, além de muito carinhoso", mas além deste cão havia outro de nome SCAMP, e entre eles muitas batalhas foram travadas. Outra descrição que ele tem em seu livro de anotações é sobre a cadela chamada ROLAND. Ela era um dos Samoiedas favoritos entre os homens, pois ela ia prestar atenção na porta da cabana para abri-la e lançava seu corpo peludo branco para os homens dentro da cabana! Ele menciona que todos os filhotes nascidos eram brancos, ou teria sido branco se não tivesse dormido nas cinzas quentes que foram eliminadas todas as noites.

 


 


Robert Edwin Peary (06/05/1856 - 20/02/1920)


  O americano Robert Edwin Peary é considerado o primeiro explorador a pisar no Polo Norte, em 6 de abril de 1909, junto com seu assistente Matthew Henson e quatro esquimós. Entretanto existem dúvidas a respeito deste feito, e sua veracidade tem sido amplamente contestada nos dias atuais. Houve muitas expedições ocasionais ao Polo Norte no século 18 (em 1755, o Parlamento britânico ofereceu uma recompensa ao primeiro navio que chegasse a um grau de distância do polo), mas foi apenas no começo do século 20 que as coisas realmente esquentaram. Em 1908, o norte-americano Frederick Albert Cook alegou ter sido a primeira pessoa a chegar ao Polo Norte, mas seu compatriota Robert Edwin Peary, com apoio de alguns dos colegas de viagem de Cook, contestou a alegação, e Cook acabou perdendo o crédito pela realização.

Peary, com uma equipe de 24 homens, 19 trenós e 133 cães de trenó, fez a primeira visita indisputada ao Polo Norte, em 6 de abril de 1909. Apesar disso, ainda houve uma controvérsia devido ao improvável percurso de 37 dias que Peary diz ter realizado. A maior parte das expedições da época demorava no mínimo alguns meses para se aproximar da meta. No entanto, em abril de 2005, o explorador Tom Avery recriou a expedição de Peary em trenó, com os mesmos materiais e suprimentos, e superou em cinco horas o tempo de Peary. Há quem ainda duvide que Peary tenha chegado ao exato Polo Norte geográfico, mas o crédito pelo pioneirismo cabe a ele.

 


 


Os exploradores norte-americanos Fiala e Baldwin também usaram equipes de Samoiedas em suas expedições.*    *    *

A escolha dos cães Samoiedas nas expedições polares, muitas vezes significou a diferença não apenas entre o sucesso e o fracasso, mas entre a vida e a morte. Entretanto aos cães não é dado devido valor a tamanha coragem e determinação, envolta a tanto sofrimento. Nem honrarias e nem estátuas para homenagear os grandes e verdadeiros responsáveis pelo sucesso das conquistas dos polos. Nem sequer temos informações precisas sobre o paradeiro exato dos poucos cães sobrevivente. Duas das expedições para o Polo Norte: Abruzzi e Jackson, e três expedições à Antártida, Amundsen, Borchgrevink e Shackleton tiveram cães que sobreviveram. Na literatura pode-se filtrar e encontrar alguma informação sobre o destino desses cães, mas seus destinos não parecem importantes para a maioria dos escritores. Muitos autores de livros sobre a história dos Samoiedas não dizem onde obtiveram os seus fatos, o que torna difícil verificar as informações. E uma vez que se começa a ir através dos diários dos exploradores encontra-se discrepâncias de histórias que esses "autores" reivindicam. Um exemplo disso é um cão que aparece muitas vezes na literatura sobre a história dos cães Samoiedas: ANTARTIC BUCK. Este cão era um descendente de cães que estavam no Southern Cross. Ele nasceu a caminho da Antártida, no Cruzeiro do Sul durante a expedição de Borchgrevink. Ele não foi usado como um cão de trenó real. Cães Samoiedas são uma raça especial com uma história rica, mas também com muitos mitos enganosos à espreita dentro da história que com a repetição constante acabam por se tornar "verdade".

Clara e Ernest Kilburn Scott - Os Scotts
Os Scotts são reconhecidos como "pais da raça" por praticamente sozinhos terem desenvolvido o Samoyeda que conhecemos hoje.

Ernest Kilburn Scott era um comerciante de madeira, um cientista, engenheiro e era um homem de riqueza. Por conta disso ele viajou para trabalho e lazer, incluindo várias expedições às regiões do povo Samoyedo, aonde ele chegou há ficar 3 meses e onde conheceu o primeiro "bjelkier" e foi ai que tudo começou.

  Em 1889, Ernest Kilburn Scott tinha acompanhado uma expedição da Royal Society Zoológico de Arcanjo, a Rússia, onde ele comprou um filhote de cachorro diretamente do povo Samoyeda. O filhote era marrom com manchas brancas no peito, patas e cauda. No momento em que Scott o viu ele estava prestes a ser sacrificado em um ritual religioso. Depois de muita negociação na tentativa de comprar o cão, Scott acabou conseguindo e em troca deixou seu trenó e parte das roupas que possuía. Teve que retornar a pé com o cão no colo a maior parte do tempo. Ele o nomeou de SABARKA, que em russo significa "o mais gordo" e o trouxe consigo de volta para a Inglaterra.

   Em 1892, os Scotts foram os primeiros a apresentar um Samoieda em uma exposição de cães, e criou uma polêmica grande, pois o cão ficou em segundo lugar na exposição de cães de trabalho. Um Samoieda jamais havia aparecido em uma exposição de cães na Inglaterra até então. Na foto ao lado Scott com o lindo sammy JACKO, o cão que foi dado de presente a Rainha Alexandra.

Kivik foi acasalada com um macho chamado RUSS e deu a luz uma belíssima cadela chamada PERLENE, uma das reprodutoras em quase todas as bases genéticas da Inglaterra. 



Um dos filhotes abaixo era a fêmea PERLENE que posteriormente veio a se tornar uma belíssima fêmea e uma das matrizes que formaram a linha de sangue inicial dos Samoiedas.

 


 
Em 1893, um membro da tripulação de um cargueiro de madeira trouxe uma cadela de cor creme da Sibéria para Londres e vendeu ao Sr. Scott. Ele a nomeou "Whitey Petchora". 

Outros foram importados na década de 1890. Um cão todo branco chamado "Musti" veio da Sibéria ocidental trazido pelo Capitão Labourn Popham e foi fotografado.  A impressão de Kilburn ao ver a foto dos "Importados de 1894" foi "O tipo que eu quero".

Aos Scotts Kilburn é amplamente creditado o fato da fixação da característica da pelagem branca que vemos hoje nos Samoiedas. Eles selecionaram os brancos somente porque era a sua preferência, pois a cor nada influenciava nas funções desempenhadas pelos Bjelkiers junto ao seu povo de origem e nem nas expedições polares. Foi então que o preto e o marrom foram eliminados.

   Imagens de PEDRO O GRANDE (Sabarka X Whitey Petchora) e seus descendentes (alguns eram negros) ainda existem. Pedro competiu com sucesso nas exposições de conformação na Inglaterra.

Em 1899, Scott comprou oito Samoiedas do explorador que se tornou também admirador dos Bjelkiers, Frederick George Jackson, que haviam sido usados em sua expedição de Fanz Josef Land.

A primeira ninhada de Samoiedas brancos nasceu em 1901 no Farninham Kennel na Inglaterra: Whitey Petchora acasalou com o macho Musti e desta ninhada nasceram todos os filhotes brancos, dentre eles NANSEM, um macho com excelentes características estruturais que fez com que ele se tornasse um dos reprodutores importantes no início da formação da raça.


 

Em 1909, os Scotts adquiriram também um dos Samoiedas mais famosos do mundo, Antarctic Buck. BUCK foi amplamente divulgado como sendo um cão fundamental para o sucesso da expedição de 1899 do veterano explorador Carsten Egeberg Borchgrevink, um norueguês que vivia na Austrália, entretanto esse fato não tem como ser verídico já que BUCK era apenas um filhotinho quando a expedição estava a caminho do Polo Sul.


     BUCK nasceu no Cruzeiro do Sul quando estavam indo em direção a Antártida e na volta da expedição ele foi levado juntamente com outro filhote, de nome TRIP para o Zoológico de Sidney, na Austrália. Ele tem sim uma enorme influência nas linhas de sangue atuais, pois foi muito utilizado como reprodutor.


   Também em 1909, Kilburn Scott e Frederick George Jackson trabalharam juntos para desenvolver o primeiro padrão da raça e fundaram o "Clube do Samoyede".

A beleza e simpatia dos Bjelkiers se tornou popular entre os ricos e influentes que passaram a procurar pelos Bjelkiers como cães de companhia.

 Em 1912, os Scotts Kilburn tinham 50 cães no seu plantel, e vendiam para os fãs e exploradores. Entre 1892 e 1912, os Scotts exportaram uma série de Samoiedas para os EUA.
 

Os primeiros exemplares de cães Samoiedas que chegaram à Inglaterra, não eram iguais, isto é, pertenciam a tipos morfologicamente diferentes. Ernest Kilburn-Scott os classificou em vários tipos, ao todo oito tipos, dos quais os mais importantes eram os chamados: Foz (zorro), Bear (urso) e Wolf (lobo). O tipo zorro foi eliminado da criação do então Canil Farningham, o canil dos Scotts, pelo fato dos cães terem uma máscara negra ao redor dos olhos e os Scotts decidiram criar apenas os cães de coloração branca, biscoito e creme. Ficaram então 2 tipos que misturados vieram dar o primeiro padrão da raça. O tipo "lobo" mais forte, robusto, com movimentos mais harmônicos, tração mais potente, textura de pelo mais dura, orelhas mais próximas, crânio mais estreito, focinho mais longo e cabeça menos cônica. O tipo "urso" um pouco menor em relação ao anterior, compacto, com muito pelo, porém com pouco volume, cabeça acentuadamente cônica, orelhas menores e mais distantes uma da outra, pernas mais curtas que afundam na neve, com movimentos mais curtos que dificultam na hora de exercer a função de puxar cargas. Esses tipos foram citados no início da formação da raça, pois era o que existia na época.

Os Scotts trabalharam inicialmente para fixar características ideais para a raça e em 1909 na Inglaterra é estabelecido o 1º padrão Oficial da Raça Samoieda.

O primeiro Clube do Samoieda que foi criado em 1909 na Inglaterra por Ernest Kilburn-Scott era formado apenas por homens o que incentivou que em 1912 fosse fundada a "Ladies Samoyed Association", tendo como Presidente precisamente a Srª Clara Kilburn-Scott.

Em 1912 o Kennel Clube Americano passa aceitar o nome "Samoyede" como nome oficial dos Bjelkiers fora da Sibéria e finalmente reconhece a raça Samoyede como raça distinta.

Os dois clubes existentes funcionaram independentemente um do outro até 1920. Neste ano, este dois clubes decidiram unir-se num único clube, fundando então "The Samoyed Association".
Em 1923 o Kennel Clube Americano altera o nome da raça de "Samoyede" para "Samoyed" retirando o "e" do final, denominação aceita até a atualidade.

    O Samoieda de propriedade do casal Kilburn-Scott, Polar Light of Farningham, nascido em 1923, ganhou durante cinco anos consecutivos a famosa exposição de Crufts.

Em 1920, Ernest Kilburn Scott deixou a família e os cães e se mudou para os EUA. Clara continuou o programa de melhoramento na Inglaterra sozinha. De acordo com escritos internacionais de criadores da raça, muitos desenvolveram linhagens da raça, mas Clara é creditada pela construção da raça. Muitos acreditam que, enquanto Ernest trouxe para casa muitos dos cães para a fundação, era Clara que monitorizava o programa de melhoramento estudando os acasalamentos e avaliando os resultados. Além disso, a Sra. Kilburn-Scott é creditada por fomentar a admiração e reconhecimento da raça em todo o mundo. Pode-se dizer então, que a história da Sra. Clara Kilburn Scott é a história da formação e divulgação da raça Samoieda.

 

 


 


O Samoieda é trazido para a América
Pode ser rastreado que quase todos os Samoiedas que vivem hoje nos Estados Unidos são descendentes de 12 cães-chave que foram usados em programas de melhoramento inicial na Inglaterra. Um dos ícones da raça no programa de melhoramento racial de ambos os lados do Oceano Atlântico foi o Campeão Inglês Kara Sea.

A princesa Rosalie Mercy dArgentau


  O primeiro Samoieda registrado no American Kennel Club foi em 1906 e ele se chamava MOUSTAN. O Campeão russo Moustan de Argentau, juntamente com três outros Samoiedas (Sora, Martysk e Sibéria) foi trazido para a América em 1904 por Rosalie Mercy dArgentau, Princesa de Montglyon que foi uma princesa belga herdeira do Sacro Império Romano. A princesa foi uma criadora/ expositora de Collies e Chow Chow conhecida internacionalmente. Ela adquiriu  MOUSTAN como um presente. A princesa estava em St. Petersburg exibindo seu Collies e Chows quando viu um cão branco andando livremente lhe seguindo. MOUSTAN era de propriedade de seu amigo, o Gran Duque da Rússia Michael, irmão do Czar Nicholas II. Ela escreveu: "Eu daria qualquer coisa no mundo para tê-lo, mas sei que ele não está a venda". Mais tarde, como a princesa estava saindo de St. Petersburg, uma cesta foi entregue ao seu lado no trem enfeitada de rosas e orquídeas. A cesta continha o adorável Moustan, junto com uma nota que dizia: "Moustan não está à venda, nenhum preço poderia comprá-lo. Mas vai ser um orgulho para nós dois se você aceitá-lo graciosamente." E assim o Samoieda veio para a América!
Em 1923 o Samoyed Club Of América foi fundado em Nova York.

Em 1947 os EUA seguiram o exemplo dos ingleses e alteraram o nome da raça para Samoyed.



Outros países
Samoiedas foram introduzidos pela primeira vez na Europa em 1912. Na Holanda, por exemplo, dois cães foram importados (1924) a partir do canil Kilburn-Scott. A Rainha Wilhelmina da Holanda criou duas ninhadas de Samoiedas, em 1958 e 1960. Sua cadela, Ibur Stella, foi importado da Noruega (1955). Wilhelmina foi fotografada com seus cachorros muitas vezes.
No entanto, o Samoieda não se tornou uma raça muito popular - cerca de 200 foram inseridos no Crufts Dog Show, em 2002. A F.C.I. não publicou um padrão da raça até 1959, mas vários países já estavam usando seus próprios padrões ou o padrão inglês.

 


 


Costumo dizer que o Samoieda é uma raça para pessoas especiais... Realmente deve haver alguma conexão entre Samoiedas e famílias reais: Rainha Alexandra da Dinamarca, Princesa de Montglyon (Rosalie Argenteau), Rainha Wilhelmina da Holanda, Czares, Duques, enfim, admiradores nobres, para uma raça ainda mais nobre. Com certeza a raça Samoieda é a mais bonita, nobre e glamurosa que existe!

 

 

*  *  *


  

O Samoieda Hoje


 Graças aos cuidados dos criadores em não popularizar a raça e ao desconhecimento em relação com a raça, Samoiedas ainda são considerados uma raça rara. Isso é uma coisa boa. Parte do benefício disso é que os Samoiedas hoje são muito semelhantes àqueles que foram domesticados pelo povo Samoyedo das regiões polares há centenas de anos atrás.

Com o seu cativante "sorriso Samoieda," elegância física, pelagem branca cintilante, tamanho médio, alegria contagiante e ansiedade de agradar as pessoas, o Samoieda pode ser facilmente confundido com um simples cão bonito. Mas essa suposição passa longe de outras características da raça como a robustez, inteligência aguçadíssima, e por apresentar dons dados por Deus como o sexto sentido que fazem com que o Samoieda seja realmente uma raça especial.

Assim como seus antepassados, o Samoieda de hoje é acima de tudo, um cão inteligente, atlético e saudável. Se eles não têm atividade adequada, física e mental, juntamente com a interação humana, eles ficam entediados e pode se tornar destrutivos. Desde o início os proprietários dos Samoiedas precisam se comprometer com o exercício diário e com a interação significativa com as pessoas e outros cães. E saber que, devido à sua inteligência e ao pensamento independente, eles podem ser um desafio para serem treinados. Eles aprendem se divertindo com o dono e com outras situações de vida, inclusive o grande aprendizado começa ainda com a matilha, quando o cão é ainda um filhotinho e está com a mãe e os irmãos. A chave para a formação de um Sammy é fazer com que a diversão seja uma atividade desejada pelo cão.

Sabendo que um Samoieda ocupado é um companheiro melhor, o Clube do Samoieda da América incentiva os proprietários a exercerem com os seus cães várias atividades. O Clube premia três níveis de trabalho: - em trenó / carrinho de puxar excursão, ou sledding, - puxar peso, backpacking, skijoring, - ou trabalho de terapia e de pastoreio. O Samoieda é uma das duas únicas raças que não pertence ao grupo de pastoreio que participa plenamente nos programas de pastoreio da AKC.
 
Don Duncan

 

Em 2007, Don Duncan e sua equipe de 12 Samoiedas executou o Norm Vaughn Serum Run, uma corrida de trenós puxados por aproximadamente 775 milhas que segue a rota realizada no ano de 1928 de Nenana para Nome no Alaska, onde na época foram entregues soro para difteria. Duncan faz em seus relatórios comentários sobre o apoio da raça Samoieda: "apesar das temperaturas de menos 50 graus, o Samoieda ficava mais forte a cada dia. Eles foram a única equipe que não precisava de casacos e eles eram extremamente resistentes. Apesar das dificuldades, do frio, do vento e do gelo eles apenas abaixam a cabeça e seguiam em frente".

Esta corrida na verdade é uma jornada para comemorar a viagem realizada em 1.925 no qual 20 mushers e cerca de 125 cães levaram a antitoxina que combate a difteria durante 5,5 dias por 674 milhas em  trenós puxados por cães em todo o território do Alasca - EUA para salvar a pequena cidade de Nome e comunidades do entorno da ameaça iminente de um surto de difteria. Para saber mais sobre a história do Run Serum: http://www.serumrun.org/History.htm

A primeira corrida comemorativa foi executado em 1997. A razão para esta viagem anual tem dois motivos. Primeiro, é para homenagear os vinte homens e suas equipes de cães que distribuíram soro de difteria para Nome. Segundo, é ampliar a consciência em todo o Alasca da necessidade de imunizações para crianças.

A rota segue ao longo do rio Yukon para Norton de som e, em seguida, ao longo do oceano para Nome. Tanto o Iditarod e as porções Run Serum partes da trilha mesmo. A "corrida de soro" não é uma corrida, mas um esforço de colaboração dos condutores, dos cães, dos mecânicos, veterinários e de uma multidão de pessoas celebrando o apoio de outras que em 1928 distribuíram o soro.
 

 

*  *  *


 

As apaixonantes características histórias no dia a dia


O que atrai mais as pessoas nos Samoiedas, além do mágico "Sorriso Samoyeda" é o prazer de acariciar seu pelo fofo e maravilhoso que pode ser branco puro, creme, biscoito ou branco e biscoito.

Os pelos dos Samoiedas saudáveis tem a ponta prateada, são repelentes de água e resistentes a sujeira. O sub-pelo é lanoso e pode se tornar muito denso nos meses de inverno. Essa camada dupla age como um isolante eficaz em climas quentes e frios.

Uma ou duas vezes no ano o Samoieda troca o pelo, perdendo a maior parte do sub-pelo quando acaba o inverno.

O pelo em si não tem cheiro. O cheiro natural do Samoieda vem do musk que é exalado entre as almofadas digitais e que é utilizado para marcação do cheiro do cão na neve.

Não se engane, um Samoieda que adentra um curral ou se molha e rola na sujeira vai exalar um cheiro forte, como se fosse um cobertor velho, por tanto o grooming periódico é fundamental.
Se a pelagem não conquistá-lo, as características faciais o farão. O Samoieda tem a cabeça em forma de cunha, as orelhas não muito longas e ligeiramente arredondadas e o focinho forte sem ser quadrado e nem afunilado. Os olhos são castanhos médios ou escuros em forma de amêndoas as pálpebras são negras e formam uma barreira efetiva para amenizar o brilho do sol ou da neve. A ponta do nariz é grossa como couro e quando jovem deve ser preta ou quase preta e com o envelhecimento do cão pode se desbotar num tom de marrom. Os lábios sempre pretos e a língua rosa vibrante. Os cantos da boca são ligeiramente curvados para cima formando o famoso "Sorriso Samoyeda".

A beleza exterior do Samoieda desmente a força abaixo. Eles tem a musculatura forte, com peito profundo mas não muito largo. O esqueleto é pesado, atípico para um cão deste tamanho. Apesar desta força e da resistência estrutural a movimentação do Samoieda é graciosa, ágil e elegante.

Apesar da agressividade não ser desconhecida, é rara e inata. Por centenas de anos traços agressivos foram inexistentes nestes cães pois eles conviviam intimamente com o Povo Samoyedo. Entretanto para proteger uma criança o Samoieda pode se transformar e até mostrar os dentes para estranhos que se aproximem inesperadamente.

Observe atentamente através de uma convivência próxima você verá o elemento cômico nas reações do Samoyeda para situações cotidianas. O sorriso, a inclinação da cabeça, a virada para trás com um olhar travesso, o andar empinado, todos indicativos da celebração da vida em um Samoieda. Os sammies tem essa característica cômica e brincalhona até a velhice, mas ao mesmo tempo é pensativo e sensível.

O Samoieda é um cão alerta, expressivo, inteligente e cheio de afeto. Colocar um Samoieda em sua rotina trará muita alegria e bons momentos para você.

Seu Samoieda nunca deixará você esquecer que o almoço é ao meio dia e ele vai te lembrar que é hora da caminhada ou da soneca. Ele constantemente vai se comunicar com você por patadas, focinhadas ou pela fala. Muitos proprietários vã over uma xícara de café saltando da mão por conta de um nariz de Samoieda cutucando por baixo do braço quando é deixado de fora da conversa. O Samoieda se alegra em fazer parte da sua vida.

Por conta da sua natureza sociável não se deve esperar que ele suporte longos períodos de isolamento sem reclamação. Um samoieda solitário pode ser barulhento e destrutivo. E não adianta racionalizar ou achar que treinos e conversas resolvem 100% pois a carga genética é pesada e é uma característica muito forte na raça. Um Samoieda vai querer estar onde você está e por tanto, se você desejar, nunca mais estará sozinho. Eu costumo dizer que eles são minha sombra branca.

Apesar de sua herança ártica os samoiedas se adaptaram muito bem a climas mais quentes, desde que tenham muita sombra e água sempre fresca a disposição. Eles não são exigentes, mas vão demonstrar grande contentamento e prazer se puderem dormir no ar condicionado do seu quarto com você.

Devido a sua herança de trabalho eles podem perseguir as coisas que se movimentam e até fugir de você quando a curiosidade falar mais alto, por isso é melhor canalizar essa energia  para algum tipo de atividade, caso contrário esses pensadores independentes podem inventar maneiras para serem entretidos. Um mínimo de exercício diário é necessário.

As características históricas são mantidas. Os sammies eram dotados de um sexto-sentido e mesmo depois de muitas gerações eles conseguem relembrar o propósito ao qual foram destinados, de modo que o filhote que você compra hoje vai saber a sua parte no "esquema da vida" para proteger e guiar o "rebanho", de amar, aquecer e estar colados em seus donos queridos. Se o assunto é uma rena ou seu filho pequeno, tenha certeza que ele será guardado do perigo com um amor que não conhece limites.

Cuidados entre tanto devem ser tomados para que o ser humano seja o "líder da matilha", para ter um animal obediente e feliz que aceita a autoridade.

A sociabilização inicial do Samoieda é fundamental para um desenvolvimento adequado do bom temperamento do cão e acontece até a 16ª semana. Sendo um cão de matilha deve ficar o máximo possível com a mãe e os irmãos. Nunca devem ser separados antes da 8ª semana. Quem faz isso com um filhote não conhece suas características históricas e suas necessidades fundamentais.

O Samoieda é uma raça única que não deve ser comparada a outras raças com semelhanças físicas. Não existem versões miniaturas do Samoieda. As qualidades dos Samoiedas são exclusivas para si. Diferentemente do que ocorre com muito cães, essa é uma raça intocada pelas práticas de reprodução feitas pelo homem. Não se esqueça nunca que o Samoieda é único em sua nobreza!

 


 

 

*  *  *  


 

Minha interpretação da raça Samoieda


Para mim, um Samoieda é bonito de dentro para fora e uso uma abordagem holística para cuidar dos meus Samoyedas. Esse tipo de tratamento abrange os cuidados físico, mental e espiritual destes magníficos animais. Isso inclui ficar em dia com as questões de saúde dos Samoyedas (atenção as mudanças de comportamento e aos sintomas, vacinação, exames, tratamentos eficazes) incluindo em minhas prioridades as necessidades de cada animal, tendo um veterinário de confiança, e uma rede de amigos experientes com os quais posso trocar informações, pedir conselhos e receber um apoio.

Minha meta principal é garantir que os Samoyedas Les Amis experimentem a alegria de ser um "Samoyeda de verdade", só que sem todos os perigos que as gerações anteriores foram expostos, e infelizmente sem a neve da Sibéria.

Cada Sammy é um indivíduo que tem necessidades diferentes, fisicamente, mentalmente e espiritualmente, e eles também têm necessidades como um todo. Como o povo Samoyedo sabe, é nosso dever como seus cuidadores humanos, entender essas necessidades e desenvolver programas para atendê-las. A recompensa são animais felizes e saudáveis que tornam a nossa vida simplesmente maravilhosa.

Acredito que a chave para alcançar esse objetivo é uma dieta equilibrada, orgânica ou industrializada projetada para um cão de trabalho, exercícios diários, momentos de brincadeira, grooming regulares, treino de educação e obediência constantes, convivência com outros cães, participação integral na vida do dono, num ambiente de paz, com massagens relaxantes e equilíbrio entre saúde física e mental a cada dia. Acredito também que Samoyedas gostam de rotina e de serem conduzidos com delicadeza, porém com firmeza. Eles precisam ter relações estruturadas com as pessoas e entre si. Nunca podemos esquecer que os Samoyedas são cães de matilha e que eles constroem laços afetivos com os membros do seu clã que podem durar sua vida toda.


 


"A natureza só errou em uma coisa quando criou os cães: Fez tão curta uma existência tão maravilhosa"


Alessandra Comin Martins
(Frase vencedora do concurso da Revista Focinhos em 2000)






 



 Fontes de informação histórica:

  1. American Kennel Club,
  2. Clube Samoyed da América
  3. DKeta website Samoyeds
  4. Dog Kennel
  5. Revista National Geographic
  6. Wikipédia
  7. O Livro Samoyed, Ward
  8. Primitive Raças-Perfect Cães,
  9. Bérégovoy e Porter
  10. Samoyeds, Puxley
  11. http://www.pedigreedatabase.com/samoyed/
  12. Fonte 1: Genética e Biologia-JORDANA, J., MANTECA, X. e Ribo, O. Análise comparativa de caracteres morfológicos e comportamentais em cães domésticos e sua importância na reconstrução das relações filogenéticas em canídeos.
  13. Amedeo, Luigi of Savoy, Duke of Abruzzi, 1902 , vol 1, "On the Polar Star in the Arctic Sea",
  14. HutchinsonCo., Paternoster Row London
  15. Bernacchi, Louis, 1901, "To the South Pole Regions" Bluntisham Books&ndash Erskine Press
  16. Borchgrevink, C.E., 1901, "First on the Antarctic Continent" C. HurstCompany London
  17. Caswell, John Edwards 1956, "Arctic Frontiers&ndash United States Explorations in the Far North"
  18. Norman: University of Oklahoma Press
  19. Donner, Kai, 1954, " Among The Samoyed in Siberia" Human Relations Area Files, New Haven
  20. Forsyth, James 1992, "A History of the Peoples of Siberia", Cambridge University Press, Great Britian
  21. Golovnev, Andrei V.G. Osherenko, 1999 "Siberian Survival, The NenetsTheir Story", Cornell Universily Press, IthacaLondon
  22. Jackson, Frederick G., 1899 "A Thousand Days in the Arctic" HarperBrothers Publishers, New YorkLondon
  23. Huntford, Roland, 1987 "The Amundsen Photographs" The Atlantic Monthly Press, New York
  24. Lehtisalo, T. von, 1932 "Beiträge Zur Kenntnis Der Renntierzucht Bei Den Juraksamojeden" H. AschehougCo., Leipzig
  25. Levin, M. G.L.P. Potapov, 1956 "The Peoples of Siberia", The Universitly of Chicago Press, ChicagoLondon
  26. Nansen, Fridtjof, 1999 "Farthest North" Abridgementbiographical note, Modern Library Paperback Edition, USA
  27. Nansen, Fridtjof, 1971 "Through Siberia, The Land of the Future" Arno PressThe New York Times, New York
  28. Scott, Robert F., 2001 "The Voyage of the Discovery-Scotts First Antarctic Expediton" unabridged volume 1, Cooper Square Press
  29. Shackleton, Ernest, 2000 "The Heart of the Antarctic: The Farthest South Expedition" Signet Book, New York
  30. Wellman, Walter , The Wellman Polar Expedition, The National Geographic Magazine, Vol.X, No. 12, Dec. 1899, p.481-503
  31. Ziker, John P. 2002 "Peoples of the Tundra. Northern Siberians in the Post-Communist Transition" Waveland Press, Inc. Prospect Heights, Illinois

 



Tradutor

CanilLesAmis.com.br ®
Direitos Reservados 2011

Usamos Microchip Partners Royal Canin free counters

Desenvolvido por: Argon
Otimização de Sites